terça-feira, 27 de março de 2012

Rota dos escravos!

Todos os escravos que saiam aqui de Benin embarcavam nos navios negreiros a partir de Ouidah. Nossa próxima parada foi composta de várias paradinhas, pois percorremos toda rota que eles faziam até o embarque.
As fotos a seguir foram tiradas em diferentes locais da cidade, demoramos mais de 2 para fazer todo caminho.
Essa praça era o ponto de encontro dos traficantes com os senhores, aqui os escravos eram expostos e vendidos.

Antigamente no lugar desse monumento existia uma grande árvore. Quando os escravos passavam por aqui giravam ao seu redor como símbolo de respeito a sua terra, família e cultura, eles acreditavam que assim não perderiam sua essência africana.
Obs.- Depois que esse menino Libanês viu minha bandeira do Brasil só queria tirar fotos com ela. Tirei essa.. mas depois disse pra ele que não queria ficar tirando fotos com a bandeira nesses monumentos, afinal não tinha orgulho dessa parte da história. Ele entendeu e pediu desculpas. Hauhauhauh


Depois de percorrer um longo caminho em péssimas condições era normal que muitos escravos ficassem doentes e se tornassem sem serventia. Não era bom que os escravos que não serviriam para o trabalho ocupassem espaço no navio, então eles eram colocados nessa praça para esperar a morte. Simples assim. Bá que horror...



Nesse espaço só se pode entrar de pés descalços como forma de demonstrar respeito.
                Depois de feita a seleção pelo “padrão de qualidade” era hora de ir pra praia.




Os escravos eram colocados nessa casa para esperar até o embarque.
Eu sei que é psicológico, por saber da história, mas senti uma vibe muito estranha aí dentro, sei lá...


E esse era o portão de embarque..
Do lado esquerdo tem essa escultura que representa o homem africano e sua força.


E do lado direito tem essa que representa as mulheres com seus filhos.

Sempre aprendo muito nesses passeios, mas me sinto um pouco mal, pois é uma parte muito sofrida da história.. Em vários momentos tenho vontade de chorar.
Vendo tudo isso me torno ainda mais intolerante ao racismo. Não entendo como muitas pessoas brancas podem não gostar de negros, eles é que deveriam ter preconceito com os brancos, olha tudo que sofreram..

2 comentários:

  1. Oi, meu amor!! Fiquei arrepiada ao ler teu roteiro. É péssimo saber que há muito desse sofrimento impregnado em paredes e terras de Pelotas. Quanta glória celebrada em cima do suor, da tortura e da morte dos negros. Que vergonha! Que bom que possas estar tão perto deste outro lado. De verdade!! Beijo. Te amo!!

    ResponderExcluir
  2. Meu amor, que experiência!
    Não tenho dúvidas de que choraria nesse lugar.
    Obrigada por teres emprestado teus olhos e tua sensibilidade para todos nós que estamos te acompanhando nesse blog.
    Estou convicta de que a tatuagem que farei é uma homenagem muito, MUITO, singela!
    Te amo. Te cuida. Um beijo apertado do tamanho do mundo.

    ResponderExcluir