quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Museu Da Silva

                O Museu Da Silva foi o  último museu que visitamos no dia de hoje, ele tem esse nome pois foi erguido por uma família da Silva que veio do Brasil para Porto Novo.
                O museu conta a história da escravidão, dos negros no Brasil e dos primeiros momentos da história de Benin. Sua fachada e as coisas que encontrei lá dentro me fizeram sentir vergonha e tristeza ao mesmo tempo, foi uma mistura de sentimentos. Em vários momentos tive vontade de chorar e de ter o poder de mudar a história.

Essa é a fachada do Museu..





Vendo tudo isso é impossível não concordar com Thomas Hobbes.. “O homem é o lobo do próprio homem”! Pois é Hobbes, concordo contigo!

Depois de tudo que vi e senti hoje, para tentar ficar um pouco mais aliviada, escutei meu terapeuta cantando, e como sempre, ele disse uma coisa que precisava escutar.. “Se o mundo é mesmo parecido com o que vejo, prefiro acreditar em um mundo do meu jeito.”
Azar se é o Fantástico Mundo de Bob, mas eu acredito nele e batalho todos os dias para que seja do jeito que eu sonho e quero!


Tô tentando chegar até as nuvens com os pés no chão sim, e quem disse que não posso tentar?!

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Palácio do Rei Toffa

Seguindo o passeio fomos ao Palácio do Rei Toffa que é conhecido como o rei Vodoun que estabeleceu os primeiros laços entre Beninenses e Franceses.
Ele é tido como o melhor rei da época...
Essa é a frente do Palácio..


O Palácio foi construído em 1850 e transformado em Museu em 1986
No museu é possível entender como vivia a realeza africana.. é tudo muito simples, mas é bem legal!


Esse é um espaço muito especial do castelo.. cada nova criança que nascia deveria ser colocada em um pequeno berço aí no meio para ter sorte na vida.



Essas são algumas estatuas decorativas da época próspera do reinado..


Essa árvore tem mais de 200 anos, eles acreditam no museu que ela dá sorte e realizava pedidos.. Vai saber né.. Fiz três pedidos, algum deve se realizar! Ahuahuhuah

Museu Etnográfico

25/02/2012, Porto Novo – Benin

Depois de sair de casa, nossa primeira parada em Porto Novo foi o Museu Etnográfico.
Gente é MUITO legal, dava vontade de tirar foto de tudo para poder mostrar para vocês! Eu chegava a abrir bem os olhos na esperança de não deixar passar nada.
Esse é o portão de entrada... Olhem quantos detalhes!




Esse é o Museu visto por fora...


 

Ele foi o primeiro museu fundado em Benin, na década de 60, e contem um grande número de máscaras e objetos típicos da cultura Vodoun e Africana.
Óbvio que na parte interna do museu não pude tirar fotos, mas prestei bastante atenção em tudo e tentei aprender ao máximo..
As máscaras são muito antigas e cada uma tem sua história e função, na grande maioria eram usadas por Oráculos ou por Chefes de Aldeias.
Tem máscara pra tudo.. Para o dia ou para noite, para ver o futuro, para prever o calendário, para aumentar a fertilidade, para a chuva, para o sol, para ter filhos gêmeos, para ver o passado de uma pessoa e depois saber se o noivo é bom para casar ou não (dessa eu particularmente gostei e pensei em levar pro Brasil hauhauhaua), para curar doentes, para ter sorte... Nossa é MUITA coisa!
Várias máscaras tinham animais de diferentes espécies entrelaçados ou comendo no mesmo pote.. Eles simbolizam a união e a força da natureza. A crença diz que o homem que a usar terá muita força, conseguirá aceitar a diferença e até mesmo se beneficiar dela. Eles já pensam nisso a muitos anos.. E depois nós que somos muito evoluídos, né?!
Na parte externa do Museu tinham várias pinturas..


Essa é uma figura tradicional no Vodoun o nome é Zandgbeto, e eles acreditam que dentro dessa roupa não existe uma pessoa, apenas um espírito no corpo de um animal.


Esse é o  Glélé, e na crença popular dentro dessas roupas tem uma pessoa incorporada de um espírito nobre, de um oráculo ou de um grande chefe.


Essa pintura retrata as máscaras que tem dentro do Museu..


Festa típica com música e dança Vodoun.


Roupa típica nas aldeias...




Essa pintura demonstra a forma como a tradição é passada para as crianças, não existem livros, a história é ensinada em rituais..
Depois de ver tudo fomos dar uma passadinha na loja do Museu.. mais uma vez tive vontade de levar tudo, mas tenho dúvidas se posso levar peças de madeira para o Brasil... Tenho que me informar a respeito disso. Acho tudo muito diferente e bonito..



Depois de ver tudo partimos do Museu Etnográfico e eu só conseguia pensar que queria muito que meus olhos tirassem fotos!


OBS.- As duas flores mais lindas que achei aqui estão dentro do meu caderninho e estou levando para o Brasil pras minhas duas meninas.. mãe e Duda!

A casa de Porto Novo

25/02/2012, Porto Novo - Benin
Tive uma enorme surpresa quando cheguei a casa de Porto Novo.
Estava esperando encontrar um lugar simples e com as mesmas as características da casa de Cotonou e não foi isso que vi. A casa daqui é bem grande e com vários móveis.
Pelo que pude perceber a mãe das gurias vive bem, ela importa malas da china para vender aqui e já viajou para vários lugares do mundo.

Essa é a grande mãe.. O nome dela é Bilkissou


Quando me dei conta de que a família delas tem dinheiro entendi que a falta da geladeira, o colchão no chão ou a TV pequena não significam pobreza e sim estilo de vida.

Elas não tem mais conforto porque não acham necessário.
Conseguem viver assim, então pra que ter mais?? 
É.. Ainda tenho muito pra aprender por aqui..  

“Somente o necessário, o extraordinário é demais” – Rei Leão

Indo para Porto Novo!

25/02/2012, Cotonou – Porto Novo, Benin
Hoje o dia começou cedo!
Acordamos umas sete da manhã, tomamos banho e fomos para rua pegar o “ônibus” para ir até Porto Novo.
O ônibus na verdade não é um ônibus, mas aqui chamam assim.


E não tem limite de passageiros, eles levam quantas pessoas couberem dentro. Na hora que estava mais cheio contei 22 pessoas com o motorista! Tive a sensação de estar em uma lata de sardinha! Huahuhauhau


No caminho passamos por uma barreira policial e eu pensei “Puts.. agora não seguimos viagem, certamente vão tirar metade das pessoas de dentro”, que inocência a minha. Ninguém deu bola, aqui isso é normal.

Uma curiosidade...

Aqui também tem pedágio.
Mas com uma enorme diferença de preço. Cada carro paga 150 Francos para passar, o que equivale a R$0,45.



Quando chegamos em Porto Novo fomos direto para casa da mãe das gurias. Ela estava nos esperando com o almoço pronto... Que sorte!


A Farhat me trouxe um prato e um garfo, mas já trouxe junto outro garfo pra ela. Esperou eu dar as 3 ou 4 garfadas de costume e terminou por mim. Hauhauhau
Elas já haviam falado pra mãe delas que eu não gostava muito da comida daqui, então ela já havia preparado um enorme prato de batata frita! Coisa boa!
E
 essa era a sobremesa...


Isso sim era bom! É um doce feito com banana e que não é muito doce.. Adorei!

Depois de comer, fomos direto para rua conhecer Porto Novo!

Vamos lá?!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Amália, meu primeiro choque cultural!

25/02/2012, Porto Novo – Benin

Pela ordem dos acontecimentos esse texto deveria ser o último a ser escrito, mas desde que vi Amália não consigo pensar em mais nada. Parece que as coisas boas do meu dia aconteceram a uma eternidade.
Necessito desabafar, tenho que escrever sobre ela e sobre as coisas que penso..
Estou me sentindo sufocada e tenho vontade de sair correndo com ela daqui.
Amália tem 10 ou 12 anos (não souberam me dizer direito) e nasceu em uma cidade aqui perto. Seus pais a entregaram para família que me hospeda para ela trabalhar e juntar dinheiro para poder estudar no futuro. Ela nunca freqüentou a escola, não sabe ler nem escrever, trabalha o dia todo e agora, na hora de dormir, está deitada em uma cama só no estrado.
Me doeu ver ela se deitar.. Só eu sei como me doeu.
Tive vontade de chorar e tudo que pude fazer foi dar um beijo de boa noite nela.
Me estiquei sobre as tábuas e dei um beijo em sua bochecha.  
Ela sorriu, e tenho certeza que não vou esquecer desse sorriso tão cedo!
Agora ela está a menos de cinco metros da minha cama, tenho vontade de levantar e ir deitar com ela. Não me importo com a falta do colchão, mas tenho medo que ela se assuste, afinal, não sei o que ela já passou na vida. 
Minha família daqui não faz isso com ela porque é ruim, na verdade, eu os vi tratando-a “bem”, mas é cultural.. as gurias me disseram que isso é extremamente normal na África. As pessoas não tem condições de manter seus filhos então os entregam para famílias mais abastadas que os “criam” e depois dão dinheiro para que possam estudar.
                Aqui criança não é criança, é só um adulto que ainda não cresceu.
Brincar, aprender, sonhar?! Não não.. Isso não existe, não se tem tempo e nem $ para isso.
Claro, estou falando das crianças pobres, existem famílias com dinheiro aqui e para essas a vida é normal.     
Assim como a Amália existem mais tantas crianças nessas condições.. e vendo essa cena não pude deixar de pensar que o mundo é muito cão mesmo.

Será que ninguém mais está vendo isso?!


 ... Boa noite Amália! Sonha, sonha, mas sonha muito, pois nos teus sonhos podes ser criança, podes ser livre, podes ser feliz!

Vamos novamente ao mercado?

23/02/2012, Cotonou – Benin

Hoje fui com minhas “irmãs” passar o dia novamente no mercado, apesar de já ser a segunda vez que vou para lá, tudo ainda é novidade! Tenho impressão que se for pra lá 30 vezes, nas 30 vou descobrir alguma coisa!
                Começamos então pelo café da manhã..
                Depois de tomar um café preto muito gostoso ontem, fiquei na esperança de achar outro daqueles. Perguntei pras gurias se tinha café ali, e elas responderam que sim. Fiquei numa felicidade só.. 
Mas.. SURPRESA!! Esse foi o café que me apresentaram..


Não sei bem o que é... Parece um leite mais fraco com alguma erva pra chá. É diferente, mas não é ruim.
Resolvi provar também uma banana frita que é muito popular aqui..


A aparência é melhor que o gosto!
Comi jurando que era doce e não é, é mega salgado e pelo tempero que leva, fica com gosto de batata! Muito estranho, disso eu definitivamente não gostei. 

Depois de comer um pouco fomos dar uma caminhadinha..
No outro dia tinha escrito sobre as perucas.. Olhem aí que lindas!
Dá vontade de comprar uma só pra ficar brincando em casa!


E respondendo a pergunta da Alê, sim aqui eles comem carne e essa é a forma como ela é vendida.
Um homem passa com essa bacia na cabeça, as pessoas pegam com a mão o pedaço que querem e ele corta na hora.


Mas mesmo com toda essa variedade de produtos o que eu mais gosto de ver no mercado são as pessoas..

Aqui é muito normal que as crianças trabalhem.. Criança pobre não é criança, é um adulto pequeno que batalha parelho com os adultos. 




Achei essas fotos lindas! Pra mim elas mostram que mesmo em meio a toda essa dificuldade as pessoas estão lutando, são pessoas de verdade.
Olhem a altura das coisas que essa mulher leva na cabeça! Eu fico impressionada.. Não sei como conseguem!

Aproveitando que se encontra de tudo no mercado resolvi comprar coisas pra fazer negrinho. As gurias adoraram, mas eu errei o ponto da massa  e ela não endureceu então tivemos que comer de colher.. ahuahuahua
Mas tá valendo, o gosto ficou bom!

Ok.. Por hoje é só pessoal!

Beijos Africanos pra todos!


Obs.- O nome desse negócio que se usa na cabeça é Guele! =)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Pro Marcelo!

Aprendi o que é ter um amigo com meu irmão Marcelo, que foi o primeiro grande amigo que essa vida me deu de presente.
E como não poderia ser diferente, sinto muita saudade de ti seu chato!
Na quarta-feira fui no Centro Cultural Africano e fiquei pensando que ias adorar essa motinho...


Acertei?

Te amo, e sinto muito tua falta!

OBS.- Tenho que dar uma implicadinha.. "Essa roupa tá boa?", "O tenis combinou com a calça?" hauahuahuahuahuah

Dia de turista

 22/02/2012, Cotonou- Benin
Hoje de manhã fui conversar no novo lugar que vou trabalhar. É uma escola britânica que foi fundada aqui para ensinar Inglês para as crianças.  
Os alunos vem de diferentes países da África, os pais os mandam para Benin para que aprendam outra língua, eles vem muito novos para cá e ficam bastante tempo, por uns 5 ou 6 anos.
Conversei muito com a diretora, foi bem legal, ela é uma querida!
Falei do trabalho da mãe no Brasil e ela disse que eu sou “uma menina especial” e que só poderia ser filha de “uma grande mulher”.. quando ela falou isso respondi em português, “Pior, minha mãe é demais mesmo!” Hauahuahuah 
Ela começou a rir, pois não entendeu nada!
Pelo que combinamos, vou trabalhar com as crianças menores que ainda não sabem inglês, e falam apenas espanhol. Acho que vai ser legal!
É bem diferente da escola de Ladji, mas tudo bem.. 

Depois que sai de lá, fui com o Michael (membro da AIESEC) em um centro cultural africano... Gente é demais!
Tem uma feira de artesanato gigante, dá vontade de comprar tudo, mas consegui me segurar, pois, sigo firme e forte no propósito de me conter nas compras.
Algumas peças..



Amei essas bonecas...

 

O que achas Duda? Levo uma pra Pelotas, ou não?

 Presépio Afro..

Obs.- Acho que esse Presépio combina bem mais com nossa história hein...

 E esse é um presentinho que ganhei do Michael.. ele me deu uma pulseira pois disse que eu tô sempre rindo e que fico muito feliz vendo as coisas. Adorei!



Bom.. quando saímos do Centro Cultural Africano meus amigos tinham aula e eu não tinha nada pra fazer, então resolvi ir na Embaixada do Brasil. Fui sozinha!

OBS.- Tenho andado sozinha direto... As meninas acham muito engraçado e ainda não chegaram a conclusão de como o ke ke no (moto taxi) me entende, mas tem dado certo! Huahuahua  Eu digo pra elas que me viro, elas ainda não entenderam bem o significado dessa expressão, e ficam preocupadas. Sempre pedem que eu mande mensagem quando chego nos lugares!

Lá na Embaixada não fiz grande coisa.. só preenchi uma ficha com uns dados e tal, nada de muito útil, mas mas mas...Quando saí de lá foi ótimo!
A Embaixada fica em uma área nobre da cidade e eu resolvi dar uma volta a pé para conhecer, nessa minha exploração acabei achando um café Frances! Acho que meus pedidos foram atendidos, tirei a barriga da miséria! Hauahuahuah



Acho que esse foi o melhor café que já tomei na minha vida..
Depois de comer saí dando risada pela rua, que felicidade! Delícia, delícia! 

Bom depois de comer e comer já era hora de vir pra casa, hoje as meninas prepararam uma comida típica para mim..


Hum... eu não lembro o nome, mas ela é feita com açúcar, farinha de mandioca, água e gelo.
Afffz.. é muito difícil me acostumar com os gostos daqui..
Eu acabei comendo só duas colheres pois estava cheia! Raspar o pote fica pro outro dia! Ahauhauha

 Boa noite meus amores!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Passeando por outro Benin..

21/02/2012, Cotonou  - Benin

Frustrando minhas expectativas, hoje não pude ir para Ladji, pois me informaram que o projeto que a AIESEC desenvolvia lá foi encerrado!
Fiquei mto triste, mas como a vida sempre me provou que tudo tem seu lugar e seu tempo certo, estou procurando pensar que aconteceu assim para que eu pudesse conhecer diferentes lugares.
Já até combinei com o pessoal da AIESEC que em breve começarei a ir para outra escola.


Como ia passar todo dia em ENEAN, resolvi sair para caminhar na rua, no caminho encontrei um menino, que conhecia de vista da escola, e ele me levou para conhecer outra região da cidade, nem parecia que estava no Benin que estou “acostumada” a ver.
Quem vê as fotos dos dois lugares acha que as primeiras são de uma cidade e as segundas de outra.
É uma parte bem rica de Cotonou, Gerard me explicou que quem mora lá é a corja, quer dizer, os políticos. (SEMPRE, né?!)
Na beira da praia tem umas casas bem diferentes de tudo que já tinha visto por aqui...


Gente, a praia é bem legal!
A água é verdinha e com todo esse calorão dá vontade de se atirar de uma vez.
Hoje não fiz isso, mas não vou embora de Benin antes de tomar um rico banho nesse marzão! Tinham umas pessoas tomando banho de maiô sem o menor problema...




Obs.- É impossível ir a praia sem ela! Nem que seja em pensamento minha gorda tem que estar junto!

Agora duas curiosidades..

1)      A praia não é pública, ela é toda murada e tem que pagar para poder entrar.


Em casa as meninas me falaram que esse dinheiro vai pra prefeitura “manter” a praia.
Agora me diz, manter o que? Trocar o cloro da água? Hauhauhauah  
Impossível não lembrar de uma música: “Enquanto o povo vai vivendo de migalhas, eles inventam um novo imposto pra você!”
Político é uma raça difícil.. na África ou no Brasil são todos iguais.. Deus me livre!

2)      O nome da praia é Obama!
Dei muita risada quando li no muro..
Parece que o grande patrão mandou fechar sua praia para que mais ngm pudesse aproveitar!



Depois de sair da praia demos mais uma voltinha pela cidade e voltamos pra ENEAN. Foi bem legal e divertido!

Então... boa noite meus amores!